segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Felicidade é só questão de ser


Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz
Sentirá o ar sem se mexer
Sem desejar como antes sempre quis

Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar

Lembrará os dias que você deixou passar sem ver a luz
Se chorar, chorar é vão porque os dias vão pra nunca mais

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e depois dançar
Na chuva quando a chuva vem

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e dançar
Dançar na chuva quando a chuva vem

Tem vez que as coisas pesam mais
Do que a gente acha que pode aguentar
Nessa hora fique firme
Pois tudo isso logo vai passar

[ Marcelo Jeneci - Felicidade ]

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Sinto que eu nunca mais serei a mesma...

"You've got this look I can't describe,
You make me feel like I'm alive,
When everything else is au fait,
Without a doubt you're on my side,
Heaven has been away too long,
Can't find the words to write this song
Of your love

(...)

I have come to understand, the way it is,
It's not a secret anymore,
'Cause we've been through that before,
From tonight I know that you're the only one,
I've been confused and in the dark,
Now I understand

I wonder why it is,
I don't argue like this,
With anyone but you,
I wonder why it is,I won't let my guard down,
For anyone but you
We do it all the time,
Blowing out my mind

Just like a star across my sky,
Just like an angel off the page,
You have appeared to my life,
Feel like I'll never be the same,
Just like a song in my heart,
Just like oil on my hands..."

[ Corinne Bailey Rae - Like A Star ]

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Meu jardim também é seu

Imagem do filme The Secret Garden

Hoje estava organizando alguns papéis e, em meio a dezenas de notas fiscais, encontrei, por acaso, uma em especial - e bem especial: uma nota emitida pelo Subway no dia 15 de Fevereiro. Olhei no calendário, confirmando: Era do nosso primeiro encontro. Pode parecer tolice, mas não posso negar o sorriso que, instantaneamente, se abriu em meu rosto ao recordar daquele dia. É até engraçado como um simples pedaço de papel amarelo pode trazer lembranças tão boas.

Lembrei-me que aquele era um dia como outro qualquer. Bem... Até o momento em que me sugeriu que nos encontrássemos e eu concordei. Sinceramente, eu não tinha segundas intenções. Nunca imaginaria o rumo que as coisas iriam tomar depois daquele encontro tão despretensioso. Conversamos e demos risada como se nos conhecêssemos há tempos. As horas passaram rapidamente e, em um piscar de olhos, você me cativou como ninguém nunca o fez.

Me surpreendi. Quem diria? Bom... Dizem por aí que devemos cuidar primeiramente do jardim para que as borboletas venham até nós, ao invés de correr atrás delas. Inventam mil e uma metáforas, parábolas etc. para nos ensinar que precisamos cuidar e gostar de nós mesmos, manter nossas mentes e braços abertos para as oportunidades que surgem a nossa frente e deixar o tempo se encarregar do restante. Costumava achar que tudo isso não passava de bobagem.

Agora compreendo perfeitamente. Bastou eu me desapegar de todas as desilusões e mágoas passadas, me livrando de todo aquele peso que eu carregava, que eu passei a me sentir melhor comigo mesma e pude abrir espaço em meu coração. E foi só questão de tempo até você surgir, quando eu menos esperava, e preencher aquele espaço desocupado com novos e belos sentimentos, acrescentando mais vida ao meu jardim.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Jogando pra perder

Foto por: Nelly Kontze

"Estou jogando pra perder
Parece que não tem nada a ver
Mas é assim que tem que ser
Que seja, eu não ligo
Prefiro pensar que arrisquei
Pelo menos eu tentei..." 

Há muito tempo, o medo costumava me impedir de arriscar. Esperei, incansavelmente, por uma oportunidade que realmente valesse a pena. Se já houve uma oportunidade anteriormente, a insegurança fez com que eu a deixasse escapar. Mas, de repente, me encontrei em meio aos dados rolando. Perguntei-me se era a hora certa, mas não podia mais voltar atrás. A partida já havia começado. Era tudo ou nada. Eu, uma mera iniciante neste jogo imprevisível, apostei de uma só vez todas aquelas preciosas fichas coloridas que estavam guardadas, bem escondidas, em um cofre. Nada está definido. Corro o risco de acabar sem nada. Estou jogando pra perder. Tento criar o mínimo de expetativas possíveis. Me preocupar excessivamente com a decisão final só irá atrapalhar meu desempenho. Me mantenho atenta, focando somente o presente. O tempo passa tão rápido, que eu mal posso notar. Não sei quantas rodadas me restam. Não importa, vou fazer valer cada segundo. Uma rodada a mais, outra a menos... Querendo ou não, o jogo vai acabar a qualquer momento.

quarta-feira, 21 de março de 2012

E me pego sorrindo sozinha...

Imagem do filme Letters to Juliet

"Preferia umas cem vezes te ver saindo do banho novamente, limpo de mim. Pronto pra se sujar de mim novamente. (...) Preferia repassar pela milésima vez o roteiro que começa com você me beijando mais intenso, evolui pra você me beijando mais pra baixo e termina com você me beijando já sem forças. (...) Eu só queria que chegasse um e-mail seu. Ou melhor: que você chegasse ao vivo. E que você me trouxesse aqui a sua barriga, a sua nuca, a parte mais branca das suas coxas, a sua cara de bravo até pra sentir prazer e o seu cheiro de cigarro com amaciante. Me traz você, por favor. Me traz e leva embora todas essas coisas chatas que só servem para ocupar minhas horas enquanto você não chega. (...) Não, o segundo casamento não é uma praga papa, praga é sentir isso. Praga é acumular jornais, revistas, livros e papelada. Tudo sem ler. Tudo sem sentir. (...) E eu escrevo um parágrafo e corro pra ver se tem e-mail. E eu escrevo uma linha e corro pra ver se tem mensagem de texto. E eu não escrevo nada e também não corro, apenas deixo você chegar aqui do meu lado, em pensamento. E me pego sorrindo, sozinha. E me pego nem aí para todo o resto. Mas sabe o que acontece enquanto isso? Enquanto eu não me movo porque estou lotada de você e me mover pesa demais? O mundo acontece. O mundo gira. As pessoas importantes assinam contratos, ganham dinheiro. As pessoas simples lutam por um lugar na condução, um lugar no mundo. Estão todos lutando. Estão todos ganhando dinheiro. Estão todos fazendo algo mais importante e mais maduro do que suspirar como uma idiota e só pensar em você. Eu tenho muita inveja dessas pessoas maravilhosas, adultas, evoluídas e espertas que conseguem separar a hora de ir a uma reunião de condomínio com a hora de desejar alguém na escada do condomínio. A hora de marcar o dentista com a hora de engolir alguém. A hora de procurar a palavra "macambúzio" no dicionário com a hora de se perder com as suas palavras que de tão simples parecem complexas. (...) Eu não consigo nada disso, eu me embanano toda, misturo tudo, bagunço tudo. A minha única dúvida é se sou a única idiota a fazer isso comigo ou se sou a única idiota a admitir que faço isso comigo."

[ Tati Bernardi ]

terça-feira, 6 de março de 2012

Esteja atento

amanda gc

"your life is your life

don’t let it be clubbed into dank submission.
be on the watch.
there are ways out.

there is a light somewhere.
it may not be much light but
it beats the darkness.
be on the watch.
the gods will offer you chances.
know them.
take them.
you can’t beat death but
you can beat death in life, sometimes.
and the more often you learn to do it,
the more light there will be.
your life is your life.
know it while you have it.
you are marvelous
the gods wait to delight
in you."


[ The Laughing Heart - Charles Bukowski ]

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

De quem é a culpa?


Dia de balada. Ela se arrumava empolgada: blusinha, short, meia arrastão, salto e uma chamativa maquiagem. Saiu às 22h, atrasada como sempre, debaixo de seu guarda chuva. Se sentiu um pouco constrangida com os olhares que a fitavam enquanto esperava o ônibus impacientemente. O ônibus chega, ela entra e percebe o cobrador a encarando. Ela senta no fundo, fingindo que não vê. Acaba perdendo o ponto em que deveria descer. Mas nada estragará sua noite. Mal chega, já vai ao bar pegar um drink. Vai para a pista. Os olhos brilham sob o globo. Pega outra bebida. No meio de tanta gente, dança como se fosse invisível. Ela observa atentamente um cara, que corresponde aos olhares. Envergonhada, não vai falar com ele. Pega mais uma bebida. A amiga, que já começa a se preocupar, tenta fazê-la parar. O salto logo começa a incomodar e a visão a embaçar. Ao andar, no meio da multidão, um cara a agarra. Ele a beija à força e mais três ou quatro caras que o acompanhavam também passam a mão nela, esperando a vez deles. Estática, se sente um objeto. Ela, tão aflita, tenta empurrá-los. A voz não sai. O grito fica entalado na garganta. Consegue de algum modo sair do meio daqueles homens dos quais nem lembra os rostos, e procura sua amiga, querendo sumir dali. Depois de umas horas elas foram embora. No dia seguinte dão risada ao lembrar do quanto se divertiram na noite anterior. Mas algumas lembranças remoem a mente dela. Ela pergunta a si mesma se aquilo foi culpa dela. Algumas pessoas diriam que sim, outras que não. Ela fica confusa, sem resposta. Mas de uma coisa ela sabe: o pior não foi o que aconteceu a ela. Pior é o que acontece - constantemente - com muitas outras. E a culpa é delas? Ela se pergunta novamente. As lágrimas ficam reprimidas, assim como diversas mulheres que têm seus corpos assaltados por anônimos, que levam suas almas, jamais recuperadas.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Mudar (E isso é uma promessa!)


"Mude
Mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.

Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair,

procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção
os lugares por onde
você passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira
para passear livremente na praia,
ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.

Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama.
Depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais,
leia outros livros,
Viva outros romances!

Não faça do hábito um estilo de vida.

Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores,
novas delícias.

Tente o novo todo dia.


o novo lado,
o novo método,
o novo sabor,
o novo jeito,
o novo prazer,
o novo amor.
a nova vida.


Tente.


Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais,vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.
Escolha outro mercado,
outra marca de sabonete,
outro creme dental.